Pular para o conteúdo principal

Tradutor

Total de visualizações de página

Cenário é propício para investimento racional em imóveis


Com quedas na taxa Selic, analistas veem boas perspectivas em unidades físicas, fundos imobiliários e aluguel.

As quedas sucessivas na taxa Selic – atualmente em 5% – tendem a atrair investimentos para o mercado imobiliário. Com os cortes impactando nos chamados rendimentos de renda fixa, os investidores podem migrar para fundos imobiliários, ações de construtoras e incorporadoras ou, simplesmente, retirar o dinheiro de suas aplicações para comprar imóveis. Analistas de mercado alertam, no entanto, que a aquisição de uma casa, apartamento ou unidade comercial é um investimento de médio e longo prazo, cujo retorno se dá, em média, acima de três anos. 

Daí vem a pergunta: é melhor investir em imóvel ou em fundo imobiliário? Planejadores financeiros com a certificação CPF (Certified Financial Planner) explicam que imóveis e FII (Fundos de Investimento Imobiliário) pertencem à mesma categoria de ativos, mas possuem três diferenças importantes: a forma de propriedade, a tributação e a liquidez. Nos FII, o cotista não tem a propriedade direta. Com isso, se desobriga dos custos de manutenção e vacância do imóvel. A compra de fundos também é isenta de imposto de renda para pessoas físicas, enquanto a renda gerada por imóveis é sujeita à tabela de IR. 

Além disso, se obtiver ganho de capital na venda direta de imóveis, as alíquotas de IR serão de 15% a 22,5% (conforme o valor do ganho). Vale ressaltar que, para imóveis até 440 mil reais, e desde que se use o valor apurado na venda para comprar um novo imóvel de maior valor, no prazo máximo de até 180 dias, existe o benefício da isenção de IR. Porém, esse tipo de venda se sujeita a outro tributo: o ITBI, imposto municipal incidente no momento da venda, com alíquotas que variam conforme o município. Já, quanto ao fundo imobiliário, incidem 20% de IR sobre a diferença entre o valor da compra e o da venda das cotas.

Segmento de investimento imobiliário vê boa oportunidade também no aluguel

Por isso, para quem busca mais liquidez, dizem os especialistas, o recomendado é buscar fundos imobiliários. A liquidez dos imóveis físicos depende de fatores como localização, conservação e situação da documentação, enquanto os FII podem ter suas cotas negociadas em Bolsas de Valores, o que propicia mais liquidez do que a compra de casas, apartamentos, escritórios, lojas etc. No entanto, independentemente da opção, o mercado entende que, quanto maior for a queda da taxa Selic, mais o investimento em ativos imobiliários – seja na forma de fundos ou de unidades – se tornará atrativo.

O segmento de investimento imobiliário também não descarta como boa oportunidade o rendimento através de aluguel. Essa alternativa não se resume apenas às unidades residenciais, mas se estende a salas comerciais, terrenos, galpões e espaços de varejo em shoppings ou lojas. Convencionou-se que o aluguel rende cerca de 0,5% por mês do valor total do imóvel. Se a unidade vale 300 mil reais, a locação renderá algo em torno de 1.500 reais mensais. Entre prós e contras, os analistas destacam as seguintes vantagens do aluguel: boa taxa de retorno e segurança no investimento. Já as desvantagens são possíveis despesas com manutenção contínua.



http://www.metoddus.com/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mercado imobiliário: como entender o preço justo de um imóvel ?

Entra ano, sai ano, e o sonho da casa própria permanece entre os principais objetivos da maioria dos brasileiros que ainda não possui um "lar doce lar" para chamar de seu.Segundo Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), já em 2018 havia 12,9 milhões de imóveis alugados no País, dentre 71 milhões de domicílios no total. Os números ainda demonstram um aumento de 5,3% na comparação com 2017.Por outro lado, cresceu o número de brasileiros que apostam em imóveis enquanto carteira de investimentos. O Relatório de Investimento Direto de 2018, divulgado pelo Banco Central (BC) revelou, por exemplo, que os investimentos em imóveis no exterior cresceram 240% de 2007 a 2017. Ainda segundo o levantamento, a maioria dos investidores nacionais apostam em imóveis nos EUA.Por  Dino/Terra

Saiba por que comprar um imóvel para alugar é um bom negócio

Mercado imobiliário começa 2020 aquecido

Impulsionado pelos números de 2019, o setor da construção civil e setor imobiliário começam o ano com expectativas positivas e animadoras tanto para quem vende quanto para quem deseja comprar. Embora o número de lançamentos imobiliários dos últimos três meses do ano passado não ter sido divulgado, o terceiro trimestre de 2019 registrou uma forte alta, de 53% de lançamentos e de 29% nas vendas de imóveis residenciais

Por Guilherme Barros


Mercado imobiliário retoma crescimento e prepara novos investimentos para 2020

O mercado da construção voltou a apresentar resultados positivos, consolidando a retomada gradual do crescimento. A construção civil foi um dos setores que puxou o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil. No 3° trimestre de 2019 o PIB do setor teve alta de 1,3%, o que incrementou o resultado de crescimento de 0,6% no PIB do País, em relação ao 2º trimestre do mesmo ano, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) a construção responde por mais de 50% dos investimentos nacionais.

Ainda que lento e moderado, o crescimento tira o setor, que é um dos motores da economia brasileira, do ciclo de queda e o assegura ao retorno da rota do crescimento. Esse movimento, aliado a baixa dos juros, que consequentemente gera ampliação no crédito, já tem animado as empresas do setor que preparam novos lançamentos e vislumbram um 2020 com mais força nas vendas. O movimento também deve co…

Acelerar o crescimento já será um avanço em 2020

Nos últimos três anos, o Brasil chegou a dezembro com boas expectativas para o período seguinte. Fim da instabilidade política, encaminhamento de reformas e novos governos embalavam as esperanças do mercado, que falava em alta do PIB de 3% no ano subsequente.

As razões para crer em uma melhora eram boas e, de fato, poderiam ter sido concretizadas. Entretanto, o que o País viveu foram três anos de baixo crescimento, cerca de 1% ao ano em 2017, 2018 e 2019 (nesse último caso, expectativa). É uma retomada lenta, insuficiente para reduzir, com a rapidez desejada, os altos índices de desemprego.
Evidentemente, houve avanços nesse período, especialmente se lembrarmos que, em 2015 e 2016, o País teve quedas de 3,5% e 3,3% na atividade econômica. Mas o retrospecto negativo era mais um fator a influenciar na aposta de alta, considerando a base de comparação baixa do período anterior.

Fatores externos ou imprevisíveis afetaram a economia: a gravação no caso JBS em 2017, a greve dos cam…

Wikipedia

Resultados da pesquisa